últimas notícias

Sustentabilidade de A a Z

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

Se você chegou a esta página em busca de uma definição precisa de sustentabilidade, a primeira recomendação é… esqueça!

Alguns pensadores contemporâneos, como Fritjoff Capra, arriscam atribuir ao termo o status de conceito. Associam-no à definição de “sociedade sustentável”, formulada pelo ambientalista Lester Brown, no início dos anos 80, e tomada de empréstimo pela Comissão Brundtland, no relatório “Nosso Futuro Comum“, produzido em 1987 sob encomenda da ONU, para expressar a necessidade de construção de um novo paradigma de desenvolvimento, que permita à humanidade satisfazer suas necessidades sem comprometer a capacidade das gerações futuras de fazerem o mesmo.

Reconhece-se ali que a propalada eficiência do mercado na alocação de recursos apresentava como contrapartida a incapacidade de promover a equidade social e de assegurar por si só a reprodução das bases de sustentação da vida no planeta. E por isso mesmo, apesar de toda a racionalidade científica com que se tenta dar à noção de sustentabilidade a dimensão de valor civilizatório, desses capazes de forjar um poderoso consenso social, estamos a anos-luz de distância de algo vagamente assemelhado.

Se alguém duvida, basta conferir a entrevista de John Elkington, criador do tripple bottom-line e fundador da SustainAbility, na TV Mercado Ético (clique na aba CI Ethos 2007 para ver a entrevista):

“[Hoje], as pessoas usam o termo [sustentabilidade] a toda hora, especialmente nos Estados Unidos e, em particular, nos negócios. Antes, o conceito de desenvolvimento sustentável era visto quase como um cavalo de Tróia, verde por fora e socialista por dentro… Agora, temos até o Wal Mart falando em sustentabilidade.”

Dizemos todos a mesma coisa? Certamente, não. E não há como discordar do cientista social Gustavo Ferreira da Costa Lima:

“Por compreendermos a sustentabilidade como uma proposta em torno da qual gravitam múltiplas e diversas forças sociais, interesses e leituras que disputam entre si o reconhecimento e a legitimação social como ‘interpretação verdadeira’ sobre o tema, optamos por tratá-la como um discurso, no sentido empregado por Michel Foucault no contexto de sua arqueologia e, sobretudo, de sua genealogia do saber-poder.”

Diante disso, o máximo que acreditamos poder fazer por você é oferecer para consulta um acervo de palavras e expressões com que se tecem os vários discursos que se confrontam – muitas delas capturadas de outros discursos, inclusive alguns que nos habituamos a reconhecer como “ciência”. E mesmo assim, sentimo-nos no direito de esperar uma contrapartida, na forma de comentários, revisões, sugestões e acréscimos propostos por você. Serão bem-vindos, por expressar a sua leitura e enriquecer a nossa.

COMENTÁRIOS

Vanessa Kober 19/10/2008 às 21:44

Olá, sou Relações Públicas e gostaria de entrar em contato com Christina Carvalho Pinto.

Obrigada,
Vanessa Kober (21) 7617-0280

Carlos Araújo 22/10/2008 às 17:27

Prezados,
através do amigo Evandro Ouriques chegamos até vocês. Aos poucos vamos debulhando e sorvendo em doses homeopáticas.
Estamos plantando nossas sementes no sul fluminense com o lançamento do Bem Social e esperamos poder engrossar o time a cada edição. Agradecemos a visita ao site http://www.bemsocial.com.br e as considerações. Interessados em anunciar favor solicitar o midiakit.
Carlos Araújo
Bem Social
carlosaraujo@bemsocial.com.br
Telfax (24) 3342-7479

Roberto Rocha 7/11/2008 às 8:48

Um dos problemas do conceito de “desenvolvimento sustentável” parece ser essa intenção de construir um “novo paradigma” quando o paradigma já existe há cerca de cinco bilhões de anos por parte de Gaia e , quem sabe, talvez uns 200.000 anos, por parte do homem sabido. Nós não temos que inventar nada. Temos que observar como funciona esse incrível e complexo sistema chamado Terra. Perceber como os serviços ambientais cooperam uns com os outros e como nós podemos sobreviver dentro deles. Refletir que saúde não é condição de apenas um indivíduo (ou de poucos), mas de todo o conjunto. Não existe organismo saudável, o que existe é ambiente saudável. A saúde dos ecossistemas só pode ser garantida quando eles (os sistemas) são a prioridade. Está errado valorizar apenas algumas partes. Pode dar certo por algum tempo, mas não terá um final feliz para todos. A humanidade não tem que satisfazer “as suas” necessidades. Ela precisa se preocupar com a necessidade do “todo”. Nosso cuidado deve ser com a saúde ambiental e não somente com as “gerações” futuras. Continuamos a raciocinar com base no antropocentrismo. Não acredito que seja esse o melhor caminho. O que estamos colocando aqui como “antigo paradigma” pode não conter uma definição tão precisa, mas considero que os argumentos são bastante convincentes…

Vicente Melo 3/03/2009 às 10:57

O comentário de Roberto Rocha é pertinente. Não há nada em separado. Se ao invés de acharmos apenas lindo, conseguirmos entender, como Fritjof Capra, a dimensão dos signos expressos na carta do índio (1854), exercitaremos a humildade em busca de conhecer a teia que nos ampara. E, com certeza, vamos resgatar um rol de valores e o sentido da vida. Entre eles, certamente, estarão Deus, amor, fé, compaixão e a eternidade espiritual, apesar de serem desconsiderados nas discussões atuais.

irismar fernands da silva oliveira 15/03/2009 às 9:49

O que acontece é que todos os seres que se dizem humano, de uma maneira ou de outra contribuiem para a destruição do planeta e dão um de bom moço querendo invertar moda.

CIN Educação Empresarial 31/03/2009 às 13:06

Qual o procedimento para divulgação de cursos e eventos no site Mercado Ético?
Os eventos a serem divulgados são:

Workshop 1

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

*Salvador- 27 e 28/04/2009
*Rio de Janeiro- 11 e 12/05/2009
*São Paulo- 14 e 15/05/2009
*Porto Alegre- 20 e 21/05/2009

Workshop 2

LIDERANÇA SOCIALMENTE RESPONSÁVEL

*Salvador- 29 e 30/04/2009
*Rio de Janeiro- 14 e 15/05/2009
*São Paulo- 11 e 12/05/2009
*Porto Alegre- 18 e 19/05/2009

Mais informações sobre o evento disponiveis em: http://www.cinrh.com/hotsite/2009/responsabilidade_lideranca/

Ednei Barbosa da Silva 9/04/2009 às 22:24

Estou precisando do endereço eletrônico de pequenas e médias engajadas na sustentabilidade para desenvolver uma pesquisa, para que possamos apresentar em um seminário no dia 25/04/09.

Luiz Carlos Pôrto 14/05/2009 às 19:28

Trabalho com Gestão Ambiental Empresarial desde 1991. Naquela época nem se usava o termo sustentabilidade.

Nos últimos tempos tenho me dedicado a desenvolver um método para popularizar o conceito de sustentabilidade. Assim, criamos o Projeto SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA, que se baseia na palavra REPENSAR.

São propostas 8 ações básicas de sustentabilidade com as oito letras de REPENSAR. É uma forma simples e didática de vivenciar o conceito de sustentabilidade. Ajude a divulgar essa idéia.

Conheça o Projeto em http://www.sustentabilidadenapratica.wordpress.com/projeto

Para acompanhar o desenvolvimento do Projeto acompanhe nosso blog e twitter:

http://www.sustentabilidadenapratica.wordpress.com

http://www.twitter.com/silvaporto

Obrigado e Parabéns pelo trabalho e pelo blog

Nazaré Fernandes 27/05/2009 às 16:10

Sustentabilidade tem a ver com educação, portanto somente haverá desenvolvimento sustentável a partir do momento que o ser humano tenha plena consciência e educação.

Antonio Marcos 28/07/2009 às 13:42

Só teremos um mundo sustentável quando o ser humano não mais precisar de bens materiais para sobreviver. Nunca.

Francisco Ortiz 26/08/2009 às 23:08

Sci&Tech Eco World Bank – Banco Mundial de Ciência, Tecnologia e Ecologia
Um banco de conhecimento aplicado aberto a todos. Parte integrante de WWI Investment Corp. (BVI) coligada ao WWI WORLDWIDE INSTITUTE for Global Freedom, Progress and Peace (Instituto Mundial para a Liberdade, o Progresso e a Paz mundial).

No período 1975-2001 pesquisamos em caráter privado inúmeros avanços da ciência e da tecnologia aplicados à energia e à vida.
De 2001 a 2009 o WWI os incorporamos ao patrimônio SCI&TECH e agora vamos transferi-los para a economia privada. Nosso foco é colaborar com soluções inovadoras que vão da geração de energia limpa, gratuita e ilimitada; veículos anti-gravitacionais; prolongamento da juventude e da vida; bio-computadores com inteligência artificial aptos para participar da tomada de decisões na gestão de empresas e governos; até processos e sistemas educacionais inteligentes S.A.B.I.O.-G.
Estamos convictos de que ao tornar estas tecnologias acessíveis às empresas e, ou instituições que atendem os respectivos mercados, seremos capazes de evitar conflitos, guerras e a contínua deterioração do meio ambiente. Para que isto aconteça e possamos beneficiar todos, superando os atuais interesses internacionais é necessário que as pessoas se mobilizem e apóiem tais atividades com plena determinação e comprometimento.
Sabemos quanto é difícil mas não há alternativas. Entendemos que as empresas privadas movem o mundo enquanto os governos apenas ditam as regras.
A WWI Investment Corp. (BVI) tem um Patrimônio Intelectual Sci&Tech de mais US$ 80 bilhões e aguarda parceiros para realizar o capital monetário necessário para o desenvolvimento dos primeiros protótipos e empreendimentos piloto. Por isso, abre neste ato, por ordem de data a agenda de negociações dos direitos de fabricação para quaisquer empresas privadas de energia, industriais, educacionais e montadoras interessadas em usar os produtos e serviços resultantes de seu banco de conhecimentos e abre também um caderno de reservas aos seus acionistas (pela data de compra das ações) para a venda dos primeiros automóveis anti-gravitacionais similares ao projeto abaixo apresentado. O destino desta empresa está em mãos de todos.
Nós apostamos na ética, na verdade, no talento e no progresso. Mas o sucesso depende do quanto e como vocês vão agir e participar!
Francisco J. Ortiz y Carrillo Presidente e CEO
fortiz@wwicorp.com
24/agosto/2009

VEÍCULO Anti-Gravitacional:
WWI-ECHHO 600 SQAG
Custo estimado para a produção em série na versão básica: USD$ 55.000
CONCEPÇÃO, MOTOR E REATORES ANTI-GRAVITACIONAIS: Francisco J. Ortiz Y Carrillo
MOTOR SPIN QUÂNTICO DE 600 HP SQAG (Spin quantum anti-gravitational motor) com 4 reatores AG.
Consumo de energia externa: Nenhuma. O motor é uma “mega” bateria cósmica-spin-quântica composta de nano-elementos monoatômicos que se degradam entre 6 e 7 anos de uso constante.
DESIGN e Concept Art:Rafael Reston
Especificações Básicas
Velocidade máxima: 500 km/hora
Autonomia 600.000 milhas
Poluição: nenhuma
Ruído: inaudível
Passageiros: 6
Carga adicional: 400Kg
Altitude máxima sem pressurização 3.000 metros
Altitude máxima com pressurização (necessita cabine especial) 20.000 metros.
Nota: Qualquer pessoa pode pilotar o carro pois ele vem equipado com co-piloto e sistema de pouso automáticos comandados por inteligência artificial

A WWI INVESTMENT CORPORATION (BVI), conforme seus estatutos, é uma empresa que aceita como acionistas pessoas físicas de qualquer origem e nacionalidade e pessoas jurídicas prestadoras de serviços ou produtoras de bens úteis, que respeitem os valores éticos e ecológicos. Suas ações não foram, não estão e não serão colocadas em qualquer bolsa de valores.
A compra e venda de ações se dá entre os acionistas de forma direta e privada com assessoria da própria presidência e diretoria do patrimônio wwinstitute@wwifoundation.com .
Pela natureza de seus valores e atividades científicas, tecnológicas, ecológicas, e em especial as de energia limpa, motores spin-quânticos, reatores e veículos anti-gravitacionais que exigem rigoroso sigilo e controle, não pretende entrar no mercado de ações e não toma empréstimos bancários nem paga ou cobra juros de qualquer natureza.
WWI INVESTMENT CORPORATION (BVI)
INTERNATIONAL BUSINESS CORPORATION
ACT 291 – R.N. 441.436
Vanterpool Plaza, Whickams Cay I, Road Town, Tortola, British Virgin Islands.
Internet Portal: http://www.wwifoundation.com
E.mail: wwinstitute@wwifoundation.com

lucimary de araujo rodrigues 14/10/2009 às 17:55

A cada dia que passa o mundo se transforme e o que podemos fazer? será que podemos nos adequar a realidade…economizar,reciclar,olhar ao redor,ter um pouco de visão futurista em cuidar do que temos, evitar oconsumo exagerado só por que temos dinheiro ,evitar depredar o público,trabalhar por prazer e não obrigado,ser educado -ecológicamente -uma casca de balinha colocar no lixo,Será que tudo é lixo.?SE CADA UM PENSAR VERÁ QUE PODEMOS AJUDAR E MUITO,É SÓ OLHAR…

flavio ramos 11/12/2009 às 20:07

o mundo vem desde nossos antepassado evoluindo e melhorando tudo por exemplo o carro dos anos 6o para o dos tempos de hoje nessa corrida para ser sempre o melhor o mundo que e a nossa casa nos nos esqueçemos de melhorar nao paramos para pensar como os animais que quando sai para caçar so pega o nesseçario para saciar sua fome diaria. ate por que o amanha so a Deus pertence o mundo sera bem melhor se procuramos viver comos os irracionais sem excesso nos nao somos DIFERENTE

REGINA MARIA DE MORAES 13/01/2010 às 7:35

É pertinente as colocações de dos comentaristas, todos preocupados numa mudança de paradígmas para garantirmos um futuro saudável no mundo.não somente u compromisso do poder público, mas de cada cidadão. Apesar da “verdade”, ser única, ela tem várias vertentes de visão para cada pessoa, de acordo com o seu grau de conhecimento e interesse!…É ecessário portanto que apesar das divergencia, deva haver um comprtamento uno quanto à respeitabilidade ao meio ambiente,partindo do princípio da educação em que todos deverão ter acesso, o que permitirá fluir entendimentos complementares, e consequentemente garantindo ambiente sadável, onde minimzaremos entre todos, o fantasma social da desigualdade…

Italina 29/01/2010 às 2:04

Olá

Sou estudante do último ano do curso de Administração, e minha monografia e sobre sustentabilidade ambiental, mas para escrever sobre a sustentabilidade ambiental preciso saber a diferença de desenvolvimento sustentável e sustentabilidade.
Em alguns artigos citam que a sustentabilidade ambiental é um dos pilares da sustentabilidade e em outros artigos escrevem que o desenvolvimento sustentavel possui as três sustentabilidade economica, ambiental e social.
Tenho a impressão que é a mesma coisa, mas tenho muito medo de estar errada.
Por favor quem souber me responda, fico grata, pois os livros e artigos que eu pesquiso não explica exatamente a diferença ou igualdade.

obrigada

luiz Silverio Barcellos Borges 27/11/2010 às 14:10

Ref. “Desenvolvimento Sustentável”

Concordo plenamente com o relato SR. Roberto Rocha, postado em 07/11/2008 08:45

Roberto Rocha 11/03/2011 às 5:18

A questão é muito simples: ” a sustentabilidade econômica depende da existência prévia de uma sustentabilidade ecológica”. Estamos colocando a carroça na frente dos bois.
As últimas reuniões internacionais “bem intencionadas” foram um fiasco em termos de efetiva mobilização global. Acho que desde a Revolução Industrial até hoje, já tivemos tempo suficiente para perceber o que está acontecendo. Infelizmente não assimilamos ainda – a elite, porque o pobre não se interessa por esse tipo de informação – a idéia de que a biodiversidade da Terra precisa de um “ambiente” saudável e não poluído, para continuar a existir e a nos dar “lucros”, sensatamente, equilibradamente. Um dos grandes desafios do século XXI é não perder mais espécies na velocidade atual em que elas estão desaparecendo, é limpar os oceanos do infernal plástico, é dar um tempo na depredação para que os estoques marinhos se recuperem, é não poluir os rios e os lenções freáticos com drogas químicas, é não perder solo pela erosão das margens dos rios, é parar de queimar florestas e de acidificar os oceanos. Tudo isso só será possível se houver uma profunda reflexão de cada dos grandes tomadores de decisões dos países mais desenvolvidos. Estamos numa ladeira íngreme, com os freios meio gastos, acreditando que eles vão aguentar até chegar onde queremos. Não vão! Já passamos do meio do caminho. É bom pensar nisso…

LUIZ 3/05/2011 às 19:17

Em sua 4ª edição, a ECO Business reúne as
principais empresas fornecedoras de produtos e serviços eco sustentáveis do país.
Um evento único e de vanguarda, que oferece
cultura e educação empresarial baseadas na
legislação e tendências do Econegócio, fomenta através de seus expositores e na realização de
congresso e workshops, as boas práticas na
realização de Econegócio para as indústrias de
cosméticos, farmacêutica, embalagem, têxtil,
madeireira, moveleira, alimentos e bebidas,
química, papel e celulose, Construção Civil, Mineração, Gráfica, Automobilística e ainda para os setores de Transportes, Telecom, Tecnologia da Informação, entre tantos outros.
A ECO Business é o principal ponto de encontro
nacional para profissionais do mercado, pesquisadores e empresas dedicadas a elaboração de alternativas que garantam maior sustentabilidade do atual sistema produtivo.

Rogério Ferreira 13/07/2011 às 10:05

O agricultor planta uma semente e pretende colher uma vagem com oito a dez sementes.
Isso é lucro? Isso é impróprio?
A empresa que não paga as contas fecha!
Mas investimentos públicos, sobretudo na área social, não precisam comprovar retornos; pois o lucro é impróprio aos olhos da esquerda.
E assim não emancipam os pequenos, e garantem a ciranda viciosa, atendendo ao interesse dos oligopólios.

augusto jose de sa campello 19/07/2011 às 17:00

Caro Sr Rogèrio Ferreira.
A mistura de ideologia com a, digamos “economia real” leva a bsurdos e tragédias.
A demonização do lucro, infelizmente, não é de agora e não é uma invenção da esquerda, do socialismo, se você assim o quiser.
Mas, creio que há remádio para tudo, ou quase.
Há uns quantos conceitos associados ao termo : custo.
Agora, se nossos governantes, algum dia, levarem em consideração o que vem a ser custo. Juro que vou ter um surto.
A J Campello

Roni Conrado Martins 20/10/2011 às 21:59

Não é preciso ter grandes idéias para se alcançar grandes resultados. Pequenas atitudes como: disciplina, organização, padronização e separação, podem ajudar e muito na construção de uma casa sustentável. Digo uma casa, porque é onde tudo começa. Se pensarmos na idéia de que cada casa é o “nosso mundo”, consiguiremos entender o quão importante é mantê-la limpa. Ninguém se sentirá confortável em casa com o lixo acumulado durante uma semana cheirando mal. Precisamos entender que nossas atitudes individuais afetarão não só a nós mesmos, mas também a todo o meio em que vivemos. Temos muitos hábitos pré-concebidos que devem ser revistos. A partir da idéia de que o “simples”, pode ser tão importante quanto grandes atos poderemos alcançar resultados satisfatórios. Como construir um planeta sustentável? Tendo atitudes simples e eficientes que contagie o nosso próximo e que encorage-o a fazer o mesmo.

José Roberto Soares Bertin 14/05/2012 às 16:15

Olá
Trabalhamos com produtos inovadores e SUSTENTÁVEIS, como a Maquina de fazer água apenas com o oxigênio do ar, geradores de ozônio…
O Ozônio é o mais poderoso e rápido agente oxidante que o homem pode produzir e facilmente oxida e destrói bactérias, fungos, esporos e fungos.
É produzido na natureza, pelo sol e raios e também artificialmente pelos homens, denominando ozonizadores.
Podemos substituir os produtos químicos pelo ozônio, que é um bactericida mais forte que o cloro e age 3.000 x mais rápido, e não agride o meio ambiente…

SEJA SUSTENTÁVEL….A NATUREZA AGRADECE!!!

LLUCAS MASCARENHAS 23/05/2013 às 10:05

A Sustentabilidade, parte acima de tudo da EDUCAÇÃO, da coscientisação, da responsabilidade ética , do engajamento e mobilização, da sociedade como um todo, das empresas responsáveis e de governantes éticos e atuantes em prol das boas causas do desenvolvimento sustentável . TODOS esses atores, trabalhando juntos e determinados em prol da SUSTENTABILIDADE, terão como colheita os bons frutos do ” bem-estar , da harmonia e do equilíbrio ” da sociedade e suas comunidades, da economia com suas empresas limpas , do meio-ambiente e da biodiversidade planetária.

joao alves 27/08/2013 às 7:09

falar em sustentabilidade,é pensar que a natureza estar doente e o remedi aos poucos estão dando uma dose,mesmo pequena mas é o que importa,o mundo de hoje não é o do homem da caverna nem o homem da idade media nem tão pouco do inicio da revolução industrial,preservar a natureza é preservar a vida como todo,o mercado sempre vai existir,o economico tem seu espaços mas esse espaço tem que ser repensado,como:preservando e usando o nescessario para que sempre tenhamos a matéria prima.Para mi sustentabilidade é garantir o que tem mas tambem ter capacidade de inovar,como criando meios para substituir o que estar se esgotando.

Faça o seu comentário

Campos com * são obrigatórios